Dacia Maraini ela é escritora, poetisa, ensaísta, dramaturga e roteirista. Sua produção literária é vasta, ele ganhou inúmeros prêmios, incluindo o Prêmio Campiello e o Prêmio Strega. Nós a entrevistamos.

Seu último livro é "A escola vai nos salvar". Quanto e de que forma prejudicou as crianças o fato de a escola ter perdido completamente o seu papel de instituição?

Eu não diria que a escola perdeu seu papel de instituição. Ele perdeu a prática de estar junto, de conviver, de estar próximo, porque você não vai à escola só para aprender algumas noções, sim vai porque assim você aprende a conviver com outras pessoas da sua idade que, assim você, está aí para aprender. Um menino, uma menina, se ficam em casa, passam o tempo com a mãe, o pai, as irmãs e os irmãos. Em vez disso, na escola, eles entram em contato com a realidade. Hoje na escola também há pessoas que vêm de outros países, que têm outra origem cultural ou religiosa e por isso tudo isso é muito útil. A escola é um ato social, um lugar onde se está junto com os outros, e isso tem faltado. Havia muita solidão.

Você disse, em recente encontro com o crítico literário Marino Sinibaldi, que os personagens de seus livros estão batendo à sua porta. Como e por que sua ancestral Marianna Ucrìa, protagonista do romance histórico “A longa vida de Marianna Ucrìa”, que ganhou o prêmio Campiello em 1990, bateu à porta de Dacia Maraini?

Dou este exemplo que é obviamente uma metáfora, mas, na verdade, eu vejo dessa forma. Digo isso porque muitos pensam que um escritor, um escritor, é como um titereiro que pega os fantoches, os vira, os faz mexer, depois os abandona e tudo acaba aí. Mas não, porque os personagens vêm até você, mas eles seguem seu próprio caminho. Eles são autônomos, eles têm sua própria autonomia, seu próprio caráter. Acontece que os personagens batem na minha porta, eu abro e ofereço um café com biscoitos; esses personagens me contam uma história e às vezes termina. Em vez disso, quando um personagem depois de tomar café e comer biscoitos me pede um jantar e depois me pede uma cama para dormir, entendo que esse personagem está acampado na minha cabeça, na minha imaginação e não será fácil de conseguir livrar-se disso. Foi o que aconteceu com Marianna Ucrìa que entrou na minha vida. Tive muita relutância em falar dela porque não sabia nada do século XVIII siciliano mas ela me seguiu, bateu nas minhas janelas, puxou-me pela manga, a tal ponto que começou uma longa procura para escrever o livro. Fiz um esforço enorme, demorei 5 anos para entrar naquele mundo, porém foi uma experiência maravilhosa.

Em muitos de seus romances, a crueza e a violência das histórias contadas, a exemplo da coletânea de contos “Dark” que ganhou o prêmio de bruxa em 1999, implicam em uma clara denúncia e desejo de mudar o mundo. Mas este mundo pode realmente ser mudado?

Claro que pode mudar, muda constantemente, mas às vezes muda para pior e às vezes muda para melhor, depende dos momentos históricos. Escrever certamente não pode mudar o mundo, mas pode criar consciência e, na minha opinião, isso é muito importante porque a consciência vem primeiro, o desejo de mudar então, esse desejo de mudar é contado e de alguma forma contagiado e, quando a maioria de um as pessoas querem mudar, mas no final elas mudam. Mas leva tempo e os escritores, em minha opinião, em sua capacidade de dizer ao inconsciente, de contar o que está acontecendo na escuridão das profundezas do ser humano, podem ajudar a criar consciência.

italiani.it juntamente com a Italofonia realizou um projeto. Um projeto de lei foi feito contra o abuso de anglicismos. O que pode ser feito para evitar que nossa língua morra?

Eu não acho que ele pode morrer, mas mestiço, sim. É claro que devo aprender bem inglês, quanto mais línguas você aprender, melhor. O inglês é a língua internacional do comércio internacional e é bom conhecê-lo. Mas não se pode inserir uma palavra do inglês a cada três palavras do italiano, isso realmente me parece uma forma de servilismo linguístico que, na minha opinião, é muito errada. Infelizmente, muitas vezes inserimos palavras em inglês, naturalmente não, porque as máquinas falam inglês e, portanto, quem quer estar na vanguarda e quem quer ficar com a modernidade das máquinas insere continuamente palavras em inglês. Mas está errado porque nossa língua é bela e capaz de dizer tudo. Os franceses dão-nos um exemplo de facto, exageram porque não usam uma palavra que não seja francesa. Em vez disso, usamos muitas palavras em inglês. Lembro-me de uma coisa cômica. Há algum tempo, quando conversava com meninos em uma escola, um deles usava a palavra "rato". Eu disse a ele que "mouse" significava "mouse" e o menino ficou pasmo porque, por não saber inglês, não sabia que estava segurando um "mouse". Isso quer dizer que às vezes temos uma relação um tanto passiva com as palavras estrangeiras, nem mesmo sabemos o que estamos usando. Para isso, digo que é preciso fazer um pouco de esforço e encontrar as palavras equivalentes, porque elas existem e, se não houver, nós as inventamos.

A mulher e a condição da mulher costumam ser o foco de suas obras. A violência, os abusos, mas também as revoluções lideradas pelas mulheres. Às vezes parece que as coisas não mudaram muito. Da década de 70 até hoje fizemos alguns progressos, mas ainda há muito por fazer. Qual a sua opinião sobre isso?

Sempre há algo para fazer, porque a realidade não é estacionária, a realidade está em constante movimento. Agora, por exemplo, estamos diante de uma realidade que não havíamos previsto. Tanto que cortamos os recursos para hospitais, serviços de saúde, médicos e enfermeiras. A pandemia foi, por exemplo, uma grande mudança que mudou nossas vidas. A vida muda, e então é necessário, de alguma forma, aceitar essas mudanças racionalmente, sem ser submerso pelo medo e sem as terríveis irracionalidades que surgem quando há medo, ódio dos outros, suspeita; sem tomar aquela atitude guerreira que vemos neste momento em todo o mundo, como se os outros fossem todos inimigos. Infelizmente, isso foi descoberto, a pandemia aumentou muito essa atitude. Então, devemos enfrentar a realidade com coragem e tentar superá-la e sair dela. Podemos sair muito bem disso, acho que podemos sair disso, mas temos que tentar ser razoáveis, ser realistas, enfrentar a realidade com coragem, com lealdade e sem esse tipo de crescimento do ressentimento que infelizmente a gente percebe em redes sociais onde as pessoas desabafam. Há um ódio nesse momento, uma agressão linguística que na minha opinião é muito perigosa porque quando cresce aí, a certa altura, você pega nas armas. O que está acontecendo na Palestina e na Faixa de Gaza é um sinal terrível. Eu conheço muitas pessoas que estão em ambos os lados, tanto palestinos quanto israelenses, que são extremamente contrários a esta guerra. Devemos ver isso não como uma luta entre dois povos, mas entre dois governos, que, infelizmente, têm interesse no uso de armas, para manter acordada esta situação de guerra. A maior parte do povo italiano e também do povo palestino não quer esta guerra. A razão é a única coisa que ajuda as pessoas a superar as dificuldades. Razão significa arregaçar as mangas e enfrentar o problema, perguntando-nos qual é o problema? Como saímos disso?

Entrevista com Dacia Maraini -paola stranges e dacia maraini

A infância e os cuidados infantis são muito importantes. Neste estranho período de pandemia, talvez os mais afetados, do ponto de vista psicológico, foram os muito jovens e os muito jovens. Você acha que vamos pagar as consequências?

Tenho fé nos pequenos, nos meninos, nos jovens. Todos nós pagamos, mas aqueles que pagaram mais são aqueles que morreram e muitos morreram. E depois houve tantos médicos e tantas enfermeiras que morreram e por isso devemos entender que o que aconteceu foi uma maldição, algo horrível. Claro que as crianças e os jovens sofreram porque não puderam voltar à escola, porque muitos não tinham as ferramentas do ensino a distância, mas acredito que aí eles têm força para reagir. Quando eu era pequeno estava em um campo de concentração e pensei que iria morrer lá. Eu sofri muito mais do que está acontecendo agora. Saí justamente porque minha mãe, que foi uma mulher de muita coragem, me ensinou que devemos enfrentar a realidade dia após dia com coragem e tentar fazer o melhor possível. Então você pode sobreviver, se você ama a vida e não magoa os outros, de alguma forma você pode sobreviver.

italiani.it se preocupa com o sentimento de pertencer ao lugar das raízes. Ela nasceu em Fiesole, filho de pai metade florentino e metade inglês e mãe siciliana. Mas onde estão suas raízes?

Minhas raízes estão misturadas. As crianças não têm esse problema, esse problema de identidade é um problema que os adultos enfrentam. A identidade não é um monólito, não é que alguém tenha apenas uma identidade, ele tem muitas; Eu sou italiano, sou europeu, sou um pouco japonês porque morei oito anos no Japão e absorvi muito, na minha infância, da cultura japonesa, comida japonesa, teatro japonês, todos os contos de fadas que ouvi quando criança eram Japonês. Então eu também sou um pouco florentino e um pouco siciliano, então não devemos pensar que a identidade é uma prisão, pelo contrário, é uma oportunidade adicional, ela tem várias raízes.

Há algum lugar favorito seu e que gostaria de apagar com o toque de uma esponja?

Eu não quero deletar nenhum deles. Você sabe o que eu gostaria de cancelar? Lixo que realmente é um grande negócio. Quando vejo lugares lindos, prados, o Lungotevere coberto de lixo, fico muito triste porque entendo que esse é um grande problema do futuro porque usamos muito plástico. Todo esse plástico acaba no oceano onde tem até ilhas de plástico, e isso não é bom para o mar, não é bom para os peixes. É um dos grandes problemas que temos que enfrentar, somos quase sete bilhões de pessoas e estamos destruindo as florestas, estamos destruindo as geleiras, estamos destruindo o pólo norte, as matas. Devemos ter cuidado porque senão corremos o risco de fazer desaparecer o ser humano. Muitas espécies desapareceram e estão desaparecendo o tempo todo. O ser humano pode desaparecer, é um ser da natureza que teve a força extraordinária de criar muitas coisas bonitas por exemplo a democracia e depois tudo o que temos, casas, livros, poesia, música, mas senão estamos atentos ao clima e o meio ambiente que estamos destruindo, nós também podemos desaparecer, para isso devemos defender o ecossistema.

Ela sempre teve uma grande paixão por viagens. Como ele é recebido, nos lugares que você visita, pelos italianos que o conhecem e o reconhecem?

Devo dizer que sou sempre muito bem recebido, mas provavelmente porque minha atitude é de amizade e simpatia. Eu confio nas pessoas, não vou com suspeitas. Eu me dirijo com simpatia e respeito porque respeito a todos, obviamente se uma pessoa se voltar para mim ou me bater então eu mudo minha atitude. Em princípio, não excluo ninguém, nunca considero ninguém um inimigo porque para mim o ser humano é todo sagrado e, portanto, se alguém surge com essa atitude, geralmente as pessoas respondem bem porque se sentem respeitadas. Tenho um bom relacionamento com as escolas porque me coloco cara a cara com os alunos, não me considero superior; Acho que somos todos iguais. Talvez tenha um pouco mais de experiência do que uma criança, mas somos iguais.

Obrigado pela entrevista

A escritora Dacia Maraini fala sobre si mesma em entrevista a italiani.it última edição: 2024-02-04T09:30:00+01:00 da Paola Estranhos

comentários

Subscrever
notificar
3 comentários
mais velho
Recentes Mais votados
Comentários em linha
Ver todos os comentários
0
Adoraria seus pensamentos, por favor, comente.x